EX-PREFEITO DO RIO VIRA RÉU POR IRREGULARIDADES NA OBRA DO CAMPO DE GOLFE OLÍMPICO

Publicado: 10 de agosto de 2017 às 16:42 – Atualizado às 16:46
O MINISTÉRIO PÚBLICO QUER A DEVOLUÇÃO DESTE VALOR, QUE CORREGIDO, PODE CHEGAR A R$ 2,3 MILHÕES FOTO: WILTON JÚNIOR/ ESTADÃO
EDUARDO PAES SERÁ INVESTIGADO NA AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
O ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (PMDB) será investigado na ação civil pública que o acusa de improbidade administrativa, por suposta irregularidades na construção do Campo de Golfe Olímpico, na Barra da Tijuca. Essa ação foi proposta pelo Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente (Gaema).A Justiça do Estado do Rio de Janeiro também tornou ré neste processo, a construtora Fiori Empreendimentos Imobiliários Ltda. Depois de ouvir as alegações das partes, a 8ª Vara de Fazenda Pública da Capital acolheu a petição do Ministério Público do Estado (MPE).

De acordo com o MPE, a Fiori não pagou R$ 1,8 milhão em impostos referentes a licenças ambientais. Em uma área equivalente a oito campos de futebol, houve a remoção da ‘vegetação exótica’ em uma área de 61.000 metros quadrados.

Ainda segundo a acusação, no dia 14 de março de 2013, a construtora solicitou a Paes que a prefeitura pagasse o tributo com alegação que “não teria sido contemplado nos custos do contrato o pagamento da citada taxa e que tal cobrança iria criar ônus adicional superior aos benefícios que lhes foram concedidos”.

O Ministério Público quer a devolução deste valor, que corregido, pode chegar a R$ 2,3 milhões.

Fonte: Diário do Poder

Share

Pin It

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *