Quem vai pra cova? Fluminense e Vasco precisam vencer hoje para se manter na série A

Publicado às 10h30 de 02/12/2018 – Atualizado às 10h33 de 02/12/2018 –

Dupla carioca não quer nem pensar em nadar, nadar, nadar… e morrer na praia

Fluminense e Vasco tentam continuar vivos na Série A para 2019 – Luciano Belford

Rio – Na história do Brasileirão, apenas cinco times nunca foram rebaixados para a Série B: Cruzeiro, Flamengo, São Paulo, Santos e Chapecoense. Os demais já amargaram a sensação de nadar e morrer na praia. Hoje, a partir das 17h, Fluminense e Vasco entrarão em campo com o risco de serem ‘sepultados’ na Série A.

Enquanto fazem preces, promessas e acendem velas, torcedores tricolores e cruzmaltinos levam na esportiva as gozações nos bares e esquinas que ajudam a manter a graça do futebol. Durante a semana, numa pausa no trabalho, coveiros rubro-negros do Cemitério do Caju, na Zona Portuária do Rio, receberam a reportagem do jornal MEIA HORA e deram palpites sobre quem terminará a Série A na ‘zona da degola’.

“Os meus amigos vascaínos de onde eu moro passaram o Brasileirão inteiro me zoando com o ‘cheirinho’ do Flamengo, andaram com a camisa do Palmeiras. Mas o tempo passa, né? Agora é a minha vez. Eu queria mesmo era que os dois caíssem (Vasco e Fluminense). Aliás, já caíram, pode apostar. Praga de coveiro pega”, disse Felipe Silvestre.

Já o coveiro José Ronaldo acha que a situação do clube das Laranjeiras é mais delicada. “O time deles não faz gols há oito partidas. Assim fica complicado”, destacou.

Amaral nunca foi coveiro

O ex-volante Amaral, que foi xodó da torcida na ‘Selevasco’ de 1999 a 2000, está com 45 anos e confiante na permanência do time na elite. Ao contrário do que muitos dizem, Amaral nunca foi coveiro, e sim trabalhou como agente em uma funerária antes de se profissionalizar no futebol.

Amaral na torcida pelo Vasco – Carlos Gregório Jr./vasco.com.br

A fama começou, segundo ele, quando o técnico Vanderlei Luxemburgo o lançou no Palmeiras e disse que “quem já pegou em defunto não vai tremer diante de 38 mil pessoas no estádio”.

“Tô bastante triste (com a posição do Vasco na tabela), porque eu tenho amor muito grande pelo Vasco, que foi o clube que me levou de novo para Europa (foi comprado pela Fiorentina-ITA em 2000). O Vasco resgatou meu futebol e hoje está nessa situação, mas só depende de si pra se manter na Primeira Divisão, se reestruturar e ver o que aconteceu, porque teve um início muito bom no Brasileiro e depois foi caindo, caindo… e nós como torcedores estamos sofrendo”, afirmou o carismático Amaral, que garantiu: “O Vasco é grande e não pode passar por isso. Estou bastante otimista e confiante de que o Vasco vai acabar permanecendo na elite”.

 
Fonte: O DIA

Share

Pin It

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *